Em sobrevoo, Greenpeace flagra o avanço do fogo sobre a Amazônia

Compartir

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Ӿ

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Amazônia brasileira

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Dados divulgados pelo INPE e as imagens registradas na última semana de julho, reforçam a ineficiência do governo federal em combater a destruição

 

Coluna de fogo avança sobre área degradada, dentro de floresta pública não destinada, em Porto Velho, Rondônia. Imagem captada em sobrevoo realizado em 29 de julho de 2021.

 

De acordo com os dados do Inpe Queimadas, julho registrou 4.977 focos de calor no bioma Amazônia, todos ilegais, já que o Decreto nº 10.735, que proibiu o uso do fogo no Brasil, está vigente desde 28 de junho de 2021, mesma data em que o governo federal autorizou novamente o uso das tropas militares para combater as queimadas. É a terceira vez que o governo Bolsonaro utiliza o dispositivo da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no combate ao crime ambiental.

Como principal estratégia do governo federal para conter a destruição, a GLO é comprovadamente ineficiente. A Amazônia segue sob intensa ameaça e a ilegalidade e a destruição continuam devastando grandes áreas, conforme mostram as imagens registradas pelo Greenpeace em sobrevoo de monitoramento, que aconteceu entre os dias 29 e 31 de julho de 2021.

“É importante analisar os focos de calor considerando também o desmatamento ocorrido recentemente na Amazônia. Muitas áreas foram derrubadas e degradadas recentemente e devem ser queimadas ilegalmente nos próximos meses, quando a vegetação remanescente fica mais seca e suscetível ao fogo”, esclarece Cristiane Mazzetti, da campanha Amazônia do Greenpeace.

Mas o pior está por vir, alerta Mazzetti, já que os próximos meses serão os mais secos na Amazônia e os órgãos ambientais seguem enfraquecidos. “Além disso, o Congresso Nacional tem como uma de suas prioridades aprovar alterações na lei que incentivam ainda mais destruição ambiental e invasão de terras públicas”, comenta.

No primeiro semestre de 2021 os alertas de desmatamento do Inpe apontaram para um aumento de 17% na devastação em relação ao mesmo período de 2020, sendo que 51% do desmatamento no primeiro semestre de 2021 ocorreu em terras públicas (Florestas Públicas Não Destinadas, Unidades de Conservação e Terras Indígenas). Essas áreas são patrimônio de todos os brasileiros cuja apropriação ilegal está avançando rapidamente.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos requeridos están marcados *

Publicar comentario